segunda-feira, 4 de junho de 2007

Cacos no chão

Arranquei,

Da minha imagem

O coração,

Reflexo parasitado.

Um asseado verme

Sorriu-me

Óxidos de outras eras.

Era ele mais

Uma corda

Que toava,

Na minha alcova vil,

Lambendo as vestes

Das considerações reclusas?

No salão

Um pingo

Reverbera,

Compondo pavilhões,

No som

Da senil linha

Reta.

Aquele,

Outro em minha

Arcada,

Reflete os

Vultos assoberbados

Frente à máscara,

Portal da vida

Dentes,

Espelhos,

Sem saída.